REPORTAGEM
26/05/2017    Por Marcela Goldstein
Viver Bem
Especial 23º Mercado Imobiliário - Segurança, vida em comunidade, condomínios com recursos incríveis, infraestrutura completa, muito verde – esses são apenas alguns dos motivos que tornam Alphaville e região tão especiais para se morar
Alameda Rio Negro, Alphaville, na década de 1970

Idealizado por Yojiro Takaoka e Renato Albuquerque no final da década de 1970, em um terreno de cinco milhões de metros quadrados entre as cidades de Barueri e Santana de Parnaíba e a 23 quilômetros de São Paulo, nascia o primeiro projeto urbano brasileiro semelhante às edge cities
americanas, cidades planejadas próximas às grandes metrópoles. “Alphaville é um modelo muito importante de desenvolvimento planejado – em relação ao parcelamento do solo, conceito de loteamento e de comunidade planejada. Comum em países como os Estados Unidos, é uma referência
muito assertiva, que deveria ser reproduzida mais vezes”, afirma Flavio Amary, presidente do Secovi SP - Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis e dos Condomínios Residenciais e Comerciais.

Na época, a Castello Branco era a rodovia mais moderna do País, com acesso rápido e seguro à capital e ao interior, o que contribuiu para a instalação de muitas indústrias às suas margens. Outro fator fundamental foi o incentivo da Câmara Municipal de Barueri, que em 1967 promulgou uma lei que dava isenção de todos os impostos municipais às companhias que se instalassem na cidade. Desta forma, o município que foi construído como um centro industrial ampliou o mercado de trabalho, incrementou o comércio e serviços locais, tornando-se um polo gerador de empregos. Assim surgiu Alphaville em 1974, inicialmente industrial, depois, em 1975, empresarial, e em 1976, residencial.

Em 1988, foi criado o Tamboré - bairro vizinho também situado entre Barueri e Santana de Parnaíba, e de lá para cá, ambos não pararam de se desenvolver. Entre os motivos para o aumento da procura da região, além da busca por melhor qualidade de vida, está a proximidade do local de trabalho. A expansão comercial torna a área ainda mais atraente para morar, pois oferece qualidade de vida melhor que a da capital. “Alphaville
é um masterplus de lançamento imobiliário, com setores muito bem definidos - indusitrial, comercial, serviços e residencial - que geram muitos empregos e renda para as famílias e, consequentemente, inúmeros empreendimentos residenciais. De 2006 a 2014, com o boom imobiliário, houve um
movimento de verticalização na região. Portanto, Alphaville e Tamboré contam com empreendimentos qualificados tanto no ponto de vista construtivo e arquitetônico quanto no posicionamento de conjuntos de elementos que propiciam o negócio imobiliário”, afirma o engenheiro Reinaldo Fincatti,
presidente da Embraesp - Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio.

A MPD Engenharia, maior construtora da região, acompanha de perto esse desenvolvimento. Com 35 anos na construção e incorporação de partamentos de médio e alto padrão, escritórios, consultórios, shopping centers, escolas, hospitais e indústrias, já entregou mais de três milhões de metros quadrados construídos; em Alphaville e região são mais de um milhão e 200 mil de metros quadrados. “Enxergamos Alphaville como uma região com grande formação de novas famílias e de franco crescimento nítido. Basta ver o número de empresas que se mudam para a cidade, o que mostra que o local está economicamente cada vez melhor. Antes, o empreendimento era apenas uma aposta; hoje, é um mercado real. Continuamos apostando nossas melhores fichas na região”, declara Mauro Dottori, presidente da MPD.

foto: Vista aérea de Alphaville - Drone Sessions

IDEAL PARA NEGÓCIOS
Barueri liderou ranking das melhores cidades para realizar negócios no País em 2015 e 2016, de acordo com estudo realizado pela consultoria Urban Systems. E, segundo levantamento realizado em 2015 pela Buildings, empresa de pesquisas imobiliárias, é a segunda cidade do Brasil em número de galpões e centros de distribuição, perdendo apenas para Campinas, a campeã na categoria de infraestrutura do estudo. Os dados acima só comprovam que a região reúne inúmeros fatores que a tornam ideal para abrigar indústrias e empresas. As cidades de Barueri e Santana de Parnaíba oferecem incentivos tributários e fiscais e localização estratégica, já que estão a menos de 30 quilômetros de São Paulo e de 100 quilômetros de três aeroportos: Congonhas, em São Paulo; Cumbica, em Guarulhos; e Viracopos, em Campinas, além do acesso às rodovias Castelo Branco e Rodoanel. ideal para abrigar indústrias e empresas. As cidades de Barueri e Santana de Parnaíba oferecem incentivos tributários e fiscais e localização estratégica, já que estão a menos de 30 quilômetros de São Paulo e de 100 quilômetros de três aeroportos: Congonhas, em São Paulo; Cumbica, em Guarulhos; e
Viracopos, em Campinas, além do acesso às rodovias Castelo Branco e Rodoanel.

VERDADEIROS CLUBES
Conhecida por abrigar condomínios de casas luxuosas, Alphaville tem recebido imóveis econômicos, voltados a pessoas que trabalham na região ou para jovens que querem independência, mas não abrem mão de continuar morando no bairro. Existem imóveis para todos os perfis - famílias,
solteiros, recém-casados - apartamentos de alto padrão, com o que há de melhor em design, inovação e sofisticação, desde a qualidade dos materiais, até os detalhes como a arquitetura e o paisagismo. Os empreendimentos são verdadeiros clubes e oferecem enormes piscinas climatizadas, espaços gourmets, spas, espaço para pet e para lavagem de carros, entre outros serviços diferenciados. “Quando as pessoas procuram por um empreendimento, buscam esse tipo de referência e conceito”, complementa Dottori.


foto: Vista aérea de Tamboré - Drone Sessions

EU QUERO, SOSSEGO...
O trânsito muitas vezes não ajuda, mas estar cercado de verde, do silêncio à noite, acordar com os pássaros cantando, crianças brincando na rua sem perigo, privacidade e ao mesmo tempo integração com os vizinhos, fazem com que morar na região, valha, e muito, a pena.
Para os amantes da natureza é um verdadeiro paraíso. A Reserva Biológica Tamboré, vizinha aos residenciais, por exemplo, possui mais de três milhões e meio de metros
quadrados de mata natural preservada. Já o Parque Ecológico de Barueri, localizado na Via Parque, em Alphaville, revitalizado recentemente, possui uma área de um milhão e 100 metros quadrados.

Os adeptos do esporte têm a possibildade de caminhar ou correr na pista do residencial 1, andar de bicicleta pelas arborizadas avenidas, praticar atividades físicas nas inúmeras academias que o bairro oferece ou nas existentes dentro dos condomínios.

UM BAIRRO QUE SE TORNOU CIDADE
Segundo a AREA – Associação Residencial e Empresarial de Alphaville, Alphaville tem cerca de 75 mil moradores e, de acordo com a Prefeitura de Barueri, um público flutuante de 150 mil pessoas. Com tamanha demanda, oferece infraestrutura necessária para quem reside ou trabalha na região. Desde escolas, faculdades, hospitais, laboratórios, Corpo de Bombeiros, supermercados, hotéis, cinemas, shopping centers, além de variada gastronomia. São franquias de fast-food, restaurantes e lojas, enfim, não deixa nada a desejar à uma metrópole em diversidade de opções.

E ainda há o charmoso Centro Comercial Alphaville, com suas calçadas onde se encontra de tudo: restaurantes, costureiras, agências de turismo, lojas de roupas e calçados, correios, escolas de inglês, salões de beleza, consultórios, relojoarias…

Vista aérea da Rodovia Castello Branco - Drone Sessions

REFERÊNCIA EM SEGURANÇA
Alphaville e Tamboré são bairros localizados entre as cidades de Barueri e Santana de Parnaíba. Segundo dados oficiais da Secretaria de Segurança Pública, Barueri teve, em 2017, o primeiro trimestre mais seguro em cinco anos. De janeiro a março deste ano, a cidade apresentou redução de 37% nas ocorrências de crimes contra o patrimônio (roubos e furtos).

Já Santana de Parnaíba adotou tolerância zero neste aspecto e, devido às ações promovidas pela Guarda Municipal Comunitária (GMC), o município se mantém há três anos como a cidade mais segura da região metropolitana, de acordo com os últimos dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. Para que a cidade atinja bons índices, são feitos estudos com o fim de que as estratégias sejam aplicadas de maneira adequada em cada região, além de ações como monitoramento de incidências, operações com bloqueios, blitz e outros artifícios que são fundamentais para manter a segurança da população parnaibana. Outra prática importante adotada pela GMC é o sistema de patrulhamento inteligente, em que foram criados departamentos operacionais em três áreas: Centro/Parque Santana; Alphaville/Tamboré; e Fazendinha, descentralizando os comandos intermediários da guarda.

Os bairros também contam com o Conseg - Conselho Comunitário de Segurança, que tem como papel primordial trabalhar a prevenção da criminalidade. “O fato de termos uma integração total entre as forças de segurança pública e privada torna a região mais segura. A vigilância privada
nas alamedas e avenidas, o urbanismo e a limpeza das vias oferecem qualidade de vida e segurança totalmente diferenciadas. A AREA atua no Centro Empresarial e Residencial Alphaville e a Socet – Sociedade Centro Empresarial, no Tamboré. Além disso, filmagens realizadas pelas diversas câmeras
espalhadas pelos bairros, e o atendimento a ocorrências por meio de viaturas, ou nos 35 callboxes existentes a cada 200 metros (na área de Alphaville), não apenas trazem uma sensação de segurança, mas refletem efetivamente na diminuição dos índices de criminalidade da nossa região. Lembramos
que este trabalho atende, indistintamente, todos que moram, trabalham, estudam ou transitam em Alphaville e Tamboré”, explica Gislane Gandra Lima, presidente do Conseg Alphaville/Tamboré.

E, por fim, há a ACVAT - Associação dos Condomínios Verticais de Alphaville e Tamboré, também presidida por Gislaine, que visa integrar e informar os representantes dos condomínios verticais residenciais para troca de experiências e discussão sobre problemas cotidianos, convivência entre condôminos, inovações tecnológicas, segurança interna, manutenção, entre outros. Alphaville e Tamboré reúnem uma combinação perfeita de infraestutura, desenvolvimento social e econômico, que tornam os bairros excelentes opções para morar, trabalhar e investir.

QUEM SÃO OS MORADORES DA REGIÃO?
Confira levantamento sobre dados demográficos e comportamento demoradores dos bairros de Alphaville, Tamboré, Aldeia da Serra e Granja Viana
.
Em pesquisa realizada pela ABD - Abril Big Data com exclusividade à Viva S/A, foram analisadas 62.273 pessoas – fontes dos cadastros, assinaturas de publicações e redes sociais e eventos do imenso grupo de bancos de dados do Grupo Abril, com mais de 40 milhões de nomes. Considerando que as informações representam uma amostragem, seguem, em primeira mão, alguns indicativos interessantes sobre a região

Descanso Merecido
Cerca de 20% dos moradores da região têm entre 55 e 74 anos. Esses dados apontam para o fato de que, depois de anos de trabalho e dedicação, chegou o momento de desfrutar com conforto e prazer tudo o que a vida tem de melhor. Muitos dessa faixa etária chegaram em busca de qualidade de vida quando os bairros ainda estavam no início do desenvolvimento; hoje, estes acolhem três gerações de famílias. “Nunca me imaginei morando em outro lugar. Alphaville para mim é a minha referência de lar. Meu pai sempre trabalhou aqui e vinha almoçar todos os dias em casa conosco. Eu me
espelhei nesta referência, montei minha escola no bairro e, assim como meus pais, consigo estar próxima dos meus filhos. Mesmo com o trânsito de hoje, ainda acredito que aqui é o melhor lugar para se morar”, conta Alessandra Storto, 40, moradora de Alphaville desde 1979.

Empoderamento Feminino
Pesquisas indicam que 64% da população têm entre 30 e 54 anos. Destes, é possível dividir em solteiros/separados (41%) e casados (59%). Os dados indicam que, conforme a tendência mundial, essas pessoas estão casando menos, e mais tarde. As mulheres – na região predominam as da faixa etária
entre 35 e 39 anos (16%) - também têm filhos mais tarde, pois priorizam a estabilidade financeira. No entanto, isso reflete o atual posicionamento da mulher perante o mercado imobiliário. Seja compondo renda com o marido, familiares ou comprando sozinha, elas já representam 37% dos contratos de financiamento da Caixa Econômica Federal. O motivo desse crescimento é, principalmente, a independência financeira. “O aumento do poder aquisitivo do sexo feminino despertou mais autoconfiança para os negócios. Não é à toa que as mulheres estão mais empreendedoras”, revela Cláudia
Ximenes, presidente da CMI/Secovi-MG.

Alto Consumo X Alta Renda
Dados revelam que 53% de quem vive na região pertence à classe A, com renda mensal a partir de R$ 14.055,01, e 43% à classe B, até R$ 14.055,01.
Para 10% deste público, dinheiro não é problema: é solução. São as pessoas que “chegaram lá” e estão no topo da pirâmide de consumo brasileira. Segundo levantamento, 33% delas vivem a dolce vita: possuem casas de campo e de praia; compram carros de luxo; consomem finas iguarias e bebidas; compram roupas, perfumes, cosméticos e acessórios de grife; ou seja, utilizam produtos de luxo.

Vida Saudável
Dos moradores, 19% valorizam o bem-estar e a qualidade de vida: praticam esportes, cuidam do corpo e estão sempre prontos para adotar hábitos saudáveis.

Investidores
Quando o assunto é dinheiro, 16% dos moradores da região são investidores: buscam opções de negócios e oportunidades que rentabilizem seus recursos.

Moda e Estilo
Registra-se que 16% das pessoas são antenadas ao universo fashion, acompanham as tendências de estilo e adoram “estar na moda“.

Geek & Gamers
O universo nerd contempla 27% dos analisados - fãs de quadrinhos, objetos colecionáveis, séries e videogames. Um público ávido por novidades.

Turismo
Em torno de 29% buscam novas experiências e conhecer lugares e pessoas. Sabem apreciar os prazeres que as viagens podem proporcionar, como Iolanda Carvalho, 61, moradora de Alphaville há 15 anos, que sempre viajou muito pelas empresas nas quais trabalhou, mas sonhava conhecer o mundo. “Tenho um grupo de dez amigos, viajamos juntos para Austrália e Nova Zelândia, e já estamos fechando a próxima em novembro”, conta Iolanda, que vai no mínimo três vezes ao ano para o exterior.

Negócios
Cerca de 29% começam o dia lendo as principais notícias e acontecimentos do mundo dos negócios, avaliando os impactos delas em seus negócios e nas finanças pessoais.

Casa e Decoração
Dos entrevistados, 19% têm interesse por assuntos de casa, decoração e material de construção, que sonham em deixar suas casas bonitas e aconchegantes. “Todo mundo acha que é um pouco arquiteto, mas atualmente as pessoas estão mais conscientes da importância de um profissional da área para executar os projetos e dar consultoria na decoração”, explica Sueli Adorni, 64, moradora de Alphaville e que trabalha como arquiteta e designer de interiores na região há 35 anos.

Universo da Beleza
Aproximadamente 14% valorizam beleza e estética e se interessam por informações e produtos do setor.

Autos
Carros são a paixão de 18%: das novidades do mercado, dos modelo a motor, estão sempre em busca de informações sobre o assunto. Não é à toa que a região oferece uma infinidade de concessionárias das mais variadas montadoras, dos modelos mais acessíveis aos tops de luxo.

Tecnologia da Informação
Destaque: 34% se interessam por tecnologia da informação, são influenciadores diretos das decisões de compra de suprimentos de informática e suítes de softwares.

Educação
Cerca de 15% se interessam por temas relacionados à educação, acompanham eventos e publicações da área; e 7% são profissionais do setor.

Celeb Followers
Perto de 21% adoram o mundo das celebridades, dos reality shows e de todo o universo que cerca os famosos.

CONDOMÍNIOS DE ALTO PADRÃO RESPONDEM PELO MAIOR NÚMERO DE LANÇAMENTOS
Levantamento feito pela Neoway Business Solutions considerou a quantidade de m² em obras: MPD Engenharia fica em 1º no ranking de Santana de Parnaíba, e Masa Empreendimentos em 1º no ranking de Barueri

De acordo com levantamento feito pela Neoway, de 2014 a 2017, este último ano ainda não consolidado, o maior número de lançamentos no mercado imobiliário se refere a condomínios residenciais de alto/médio padrão. O tipo responde por 37,8% do total.

Participaram do estudo os municípios de Barueri, Carapicuíba, Cotia, Santana de Parnaíba e Embu. Na sequência, aparecem os de médio padrão (30,5%) e médio baixo HIS (30,2%). A análise levou em conta o metro quadrado de construção, entre as unidades lançadas e em obras. Entre as obras de condomínios e edifícios, as construtoras mais bem posicionadas, com relação ao metro quadrado construído, nas cidades avaliadas: a Masa Empreendimentos Imobiliários Ltda ficou em primeiro entre 10 elencadas em Barueri. Já em Santana de Parnaíba, a MPD Engenharia e Construções Ltda conquistou a melhor colocação, ficando em 1º lugar. Em Cotia, ganhou destaque a CP Construplan Construção e Planejamento Ltda.; em Carapicuíba, a Leonardi Construção Industrializada Ltda. e em Embu, alçou a primeira colocação a Construtora Arbore Engenharia Ltda.
No recorte por cidades, em 2016, Santana de Parnaíba registrou o maior tamanho de planta por unidade, em média, 103,2 m². Na sequência estão Barueri (82,3m²), Cotia (66,5m²), Embu (61,4m²) e Carapicuíba (59,8m²).

No ano passado, Santana de Parnaíba aparece em 1º lugar novamente, quando o estudo levou em conta o número de dormitórios por unidade, 2,6. Na segunda posição, Barueri (2,4), Cotia (2,2), Carapicuíba e Embu; ambas com dois dormitórios cada.

Já, sobre as construtoras que atuam nos municípios citados, o maior número foi constatado, em 2017,em Cotia (25); seguida de Barueri (17), Santana de Parnaíba (5), Carapicuíba (4) e Embu (3). No ano anterior, a configuração foi a mesma, por ordem de cidades.

Nos edifícios, o padrão é médio
O cenário é diferente quando são analisados os edifícios residenciais: alto/médio alto padrão (19,6%), médio (43,3%) e médio baixo (31,4%).
No geral, sobre as edificações com referência a 2017, foram cerca de 55, entre imóveis residenciais e comerciais. Cotia e Barueri detem as maiores quantidades, com cerca de 20 edificações em cada cidade. No ano passado inteiro foram cerca de 60, sendo a maior quantidade também nas cidades de Cotia e Barueri.
Levando em consideração as obras de condomínios e edifícios em construção no ano de 2017, por metro quadrado, Barueri tem a maior representatividade, com 589.409 m², seguida de Cotia (387.093), Santana de Parnaíba (140.708), Carapicuiba (22.542) e Embu (9.437).

Financiamento HIS
Na análise médio baixo padrão, o levantamento considerou os Programas e Financiamento para Habitação de Interesse Social (HIS). A opção envolve diversas modalidades de crédito, proveniente do Governo Federal, como o Minha Casa, Minha Vida; no qual são repassados recursos da União para o comprador, que financia a espécie de “empréstimo”.

foto: Egberto Nogueira/imafotogaleria

QUER ADQUIRIR UM IMÓVEL?
João Carlos Gomes da Silva,
56, executivo do Bradesco, em entrevista exclusiva, fala sobre crédito imobiliário e os diferenciais de financiamento oferecidos pela instituição financeira, considerada a terceira maior empresa da América Latina, mercado que mais cresceu nos últimos 12 meses, conforme dados da Economatica, para a revista Exame.

O volume de empréstimos para a construção e para a compra da casa própria pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), que usa recursos da caderneta de poupança, fechou 2016 em R$ 46,6 bilhões, 38% menor que os R$ 75,6 bilhões de 2015, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). O senhor acredita que será possível reverter esse quadro em 2017?
Nos últimos meses temos observado um importante processo de flexibilização monetária: a taxa básica de juros (Selic) saiu de 14,25% a.a. para 11,25% a.a. Acreditamos que o Banco Central deverá efetuar novos cortes da taxa de juros. O menor nível de taxa Selic tende a contribuir para melhor desempenho da economia e do mercado imobiliário e, adicionalmente, aumenta a atratividade da poupança ante os demais investimentos, contribuindo para o aumento do funding. Desta forma, acreditamos que em 2017 o volume de empréstimo imobiliário fique próximo ao do ano anterior ou ligeiramente superior.

A recente Pesquisa do Mercado Imobiliário, realizada pelo Departamento de Economia e Estatística do Secovi, SP, apurou em março a comercialização de 1.233 unidades residenciais novas na cidade de São Paulo. O volume é 54,5% superior ao total vendido em fevereiro (798 unidades) e 15,2% acima do resultado de março de 2016. No que diz respeito à concessão de crédito imobiliário, qual o balanço do Bradesco no primeiro trimestre deste ano?
Comparando o primeiro trimestre deste ano em relação ao primeiro trimestre de 2016, notamos que, em relação às unidades residenciais comercializadas, o Bradesco se manteve estável na concessão de Crédito Imobiliário na cidade de São Paulo.

Com qual cenário a instituição trabalha para o segundo semestre deste ano?
Normalmente o mercado é mais aquecido no segundo semestre do ano.

Para quem busca financiar um imóvel, quais são os diferenciais oferecidos pelo Bradesco?
O Bradesco oferece taxas competitivas e facilidades no processo de contratação. Além disto, conta com especialistas de crédito imobiliário para suporte aos clientes, bem como o maior portfólio de produtos para suprir todas as suas necessidades.

Como anda a confiança do consumidor na visão do Bradesco?
Segundo indicador da FGV - Fundação Getúlio Vargas, o índice de confiança do consumidor tem mostrado maior consistência nos últimos meses, impulsionado pelo componente de expectativa. A mesma sondagem aponta para o fato de que a situação financeira do consumidor percebida também vem apresentando melhora, refletindo, dentre outras coisas, a desaceleração da inflação registrada neste ano.

E nas taxas de inadimplência, houve piora?
O Financiamento Imobiliário permite a realização do sonho do imóvel próprio, sendo assim, observamos que o cliente prioriza o pagamento deste financiamento com relação a outros compromissos, portanto, a inadimplência desta carteira continua baixa e sem despertar maiores preocupações.

NILTON DE SOUZA - Secretário de Planejamento e Urbanismo da prefeitura de Barueri 

foto: Renato Vereda

A Secretaria de Planejamento e Urbanismo da prefeitura de Barueri recebe, analisa e aprova projetos de obras particulares e de parcelamento do solo urbano. Na fase das obras, acompanha e fiscaliza. Em face do crescimento da cidade e do surgimento de novas demandas urbanas, a Secretaria também tem a função de planejar, propor e implantar adequações e alterações no zoneamento, no uso e ocupação do solo. Nilton de Souza, 60, está à frente da Secretaria e concedeu a seguinte entrevista à reportagem da Viva S/A

Quais são os principais projetos que a Secretaria de Planejamento e Urbanismo pretende colocar em prática nos próximos anos na gestão do prefeito Rubens Furlan (PSDB)?
Estamos estudando melhorias na Lei de Zoneamento, no Código de Obras, realizando revisão do Plano Diretor, enfim, em toda a parte legislativa que compete à secretaria. Estamos corrigindo algumas falhas que existem na legislação atual e propondo outras que são de extrema importância para o desenvolvimento do município.

No fim do ano passado, um estudo da revista EXAME apontou, pela segunda vez consecutiva, Barueri como a melhor cidade do País para realizar negócios. Dentro desse contexto, qual a importância do mercado imobiliário para o município?
O mercado imobiliário é de grande importância para Barueri.

Os empreendimentos permitem que a cidade fomente negócios, impostos e empregos Barueri ainda concentra muitos espaços disponíveis para futuros lançamentos imobiliários residenciais e comerciais?
Hoje, as opções são escassas, um cenário diferente da explosão imobiliária ocorrida há dez anos. Mesmo assim, estamos passando por uma transformação. Temos observado, por exemplo, a demolição de prédios antigos para a construção de outros modernos. Para isso, acabam unificando áreas, juntando vários lotes, a fim de construir um empreendimento seja ele multifamiliar ou de escritórios.

Os moradores de Alphaville e Tamboré podem esperar alguma novidade no que diz respeito à melhoria da mobilidade urbana? O que pode antecipar?
A implantação de algumas obras urbanas está sendo estudada pelas Secretarias, como duplicação de ruas e avenidas - sob análise. Em execução, alguns projetos viários devem auxiliar a mobilidade urbana em Alphaville e Tamboré e, por consequência, o deslocamento dos ônibus coletivos na região. A Via Parque, em Alphaville, está sendo expandida até Santana de Parnaíba e a previsão é que seja concluída ainda este ano. Já no Tamboré, está em andamento a execução do viaduto sobre a Alameda Araguaia, em continuação à avenida Tucunaré - deve ficar pronto no ano que vem.

Por falar em mobilidade, qual o status das obras na Via Parque que estavam paralisadas ou em atraso?
As obras da Via Parque estavam paradas desde 2015 devido a um dano causado às margens do rio que ficam em área de preservação permanente. Em janeiro deste ano, a Prefeitura de Barueri conseguiu o licenciamento ambiental junto à Cetesb - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo e retomou as obras em fevereiro. As obras estão em fase de terraplenagem em alguns pontos e concluídas em outros. O prazo previsto é dezembro, mas a Prefeitura de Barueri trabalha com a possibilidade de acelerar e terminar antes disso.


EMÍLIO CARLOS FONSECA SOARES - secretário de Planejamento Urbano e Meio Ambiente da prefeitura de Santana de Parnaíba

foto: Marcio Koch

VIA PARQUE DEVE SER LIBERADA JÁ NO PRÓXIMO SEMESTRE
Um dos setores que mais contribuem para o desenvolvimento de qualquer município é o mercado imobiliário. Construir um prédio ou um novo bairro, por exemplo, aumenta a arrecadação de impostos e também gera empregos e renda para a cidade. No entanto, na mesma esteira de pontos positivos caminham os pontos negativos. Sem o minucioso planejamento dos impactos causados pela construção de novos endereços residenciais ou comerciais, o resultado pode ser um desastre, principalmente nas questões que envolvem a mobilidade urbana. Desde que assumiu o seu primeiro mandato, em 2013, o prefeito de Santana de Parnaíba, Elvis Cezar, 40, (PSDB), tem acompanhado o assunto de perto. Por meio da revisão do Plano Diretor da cidade, elaborou um processo de interrupção da verticalização desordenada em Santana de Parnaíba. Quem explica é o secretário de Planejamento Urbano e Meio Ambiente da prefeitura, Emílio Carlos Fonseca Soares, 66. “As obras continuarão sendo feitas: os novos empreendimentos precisarão ser realizados com planejamento ordenado para desenvolver projetos funcionais que ofereçam moradia, comércio, emprego e serviços básicos integrados, fazendo com que a população tenha qualidade de vida e mobilidade urbana”.

Com o propósito de conter o crescimento desordenado, a prefeitura de Santana de Parnaíba fez uma revisão de seu Plano Diretor, de certa forma dificultando a construção de novos empreendimentos imobiliários residenciais e comerciais no município. Os empresários do setor que pretendem investir na cidade podem esperar mudanças? A nova legislação com certeza trará muitas mudanças, todas elas pensadas no sentido de promover o desenvolvimento econômico e social sustentável, a integração e valorização do território, a ampliação do controle do uso do solo, no equilíbrio das funções da cidade, com delimitação e proteção dos espaços territoriais mais frágeis ambientalmente.

Restringir a construção de novos empreendimentos não acaba dificultando a geração de empregos, receitas e impostos para a cidade?
O processo de interrupção da verticalização desordenada ocorreu na gestão do prefeito Elvis Cezar. Na administração anterior não havia restrições claras nesse sentido e foram autorizados diversos empreendimentos verticais que, sem o devido planejamento, afetam significativamente a mobilidade urbana e a qualidade de vida das pessoas. Sobre as mudanças que impactam a implantação de novos empreendimentos, vale ressaltar que elas irão ocorrer na cidade, mas estes serão realizados com planejamento ordenado para desenvolver projetos funcionais que ofereçam moradia, comércio, emprego e serviços básicos integrados, fazendo com que a população tenha qualidade de vida e mobilidade urbana.

No que diz respeito à melhoria da mobilidade urbana, os moradores de Alphaville e Santana de Parnaíba terão novidades? O que pode antecipar?
O PlanMob - Plano de Mobilidade, Circulação Viária e Transporte encontra-se em pleno desenvolvimento, tendo já sido superadas as fases de levantamentos e pesquisas de campo, culminando com um amplo diagnóstico da situação atual. Estudam-se, no momento, as demandas futuras, a criação de cenários de simulação para horizontes temporais de curto, médio e longo prazo (5, 10 e 20 anos), compatibilizando-os ao potencial de uso do solo, que trarão elementos para validação de propostas relacionadas ao sistema viário, aos sistema de transporte e aos modos de deslocamento. Portanto, é prematuro antecipar as novidades, uma vez que elas serão mais definidas na fase que se segue ao prognóstico, que é a fase de propostas. No entanto, no curto prazo, contaremos com melhorias na circulação viária, com a consolidação da Via Parque, com ajustes a possível ampliação da Estrada Paiol Velho e com melhor equacionamento do cruzamento da Avenida Yojiro Takaoka com a Av. Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues, formando um novo anel de circulação, já analisado em vários estudos anteriores realizados para a região de Alphaville, entre outros.

Quando haverá a abertura da Via Parque no sentido de Barueri? Quais serão os benefícios após a entrega do projeto?
Destacamos que a Via Parque tem previsão de ser liberada já no próximo semestre, pois o prefeito Elvis Cezar tem feito reuniões com o prefeito Rubens Furlan no sentido de viabilizar a conclusão, mesmo que parcial, do trecho que envolve a cidade de Barueri, haja vista que o lado de Santana de Parnaíba tem previsão de conclusão para até meados de julho. Também já está em processo licitatório a duplicação da Avenida Paiol Velho; além disso, em breve será iniciado o projeto de construção do túnel de ligação da Avenida Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues com a Avenida Universitário. Esses projetos terão grande impacto na redução e/ou eliminação do trânsito na região de Alphaville e Tamboré.

Top 5