Articulista
Roberto Shinyashiki
Carreira e Relacionamento
Roberto Shinyashiki
Psiquiatra, escritor e conferencista
26/01/2018
Ser o melhor o tempo inteiro
Você não é julgado pelos seus melhores momentos, mas sim por todos eles 

Sou um viciado em aprender coisas novas para transformar a vida das pessoas para melhor! Já estudei muito sobre como ter relacionamentos afetivos duradouros. Fui atrás de saber como lidar com problemas de uma forma saudável e hoje, a minha paixão é conhecer o que há de melhor no mundo sobre práticas e técnicas que fazem a diferença real no seu desempenho profissional.

Sabe qual a diferença entre uma empresa que em poucos anos vai valer bilhões de dólares e uma de que ninguém vai se lembrar? Não está no mérito de ter a melhor ideia ou melhor produto, mas sim de ter consistência no nível de qualidade do seu trabalho.

Finalmente entendi que, no mundo atual, você não é julgado pelos seus melhores momentos, mas sim por todos os seus momentos! Pode parecer loucura o que eu estou falando e você deve estar pensando… "Espera, Roberto, você está me falando que eu tenho de ser o meu melhor o tempo inteiro?" Sim, estou!

Quando aprendi isso, não somente mudou a minha vida, mas também a vida do meu filho Leandro, que precisou de cuidados médicos intensivos para superar a expectativa de vida de seis meses dada a ele e chegasse aos 39 anos. Mudou a vida da minha família inteira e de todas as pessoas que eu já toquei com minhas palestras, livros e treinamentos.

Eu ainda trabalhava no hospital e era um cirurgião quando o meu filho Leandro nasceu. Como eu trabalhava sem parar, sete dias por semana, não tinha nem como aumentar a minha carga de trabalho. Nessa época descobri que o Leandro não estava evoluindo como as outras crianças. Após diversos exames, veio o diagnóstico: ele tinha diversas calcificações no cérebro. Para um bebê, era uma sentença de morte.

Os médicos me deram o conselho sensato, estava na hora de me preparar para a partida do meu filho. Quem consegue se preparar para se despedir de um filho? É simplesmente contra a natureza.

Deixa eu lhe contar: esse foi um dos grandes arrependimentos da minha vida. Durante uma semana inteira eu preferi ouvir a opinião dos médicos em vez de acreditar no potencial do meu filho que queria viver.

Tomada a decisão de apostar no Leandro, veio o outro desafio: o que eu ganhava no hospital não chegava nem perto de cobrir os custos dos tratamentos de que ele precisava. Eu tinha de mudar. Estufei o peito, criei coragem e decidi o que fazer. Larguei a vida de cirurgião e abri meu consultório de terapia.

Para aguentar as responsabilidades de começar uma carreira nova e ter um filho com os cuidados especiais, não bastava eu ser um bom pai e terapeuta. Precisava ser o melhor pai e melhor profissional que eu poderia ser, o tempo inteiro. Isso só foi possível quando aprendi como viver em um estado contínuo de alta performance.

Em 2018 eu quero que você tenha a coragem de ser também o melhor que puder, mas isso só vai ser possível quando você aprender como viver em estado contínuo de alta performance.

Outras Matérias
Outros Articulistas
Julho 2018
Silvio Santos vem aí!