Articulista
Roberto Shinyashiki
Carreira e Relacionamento
Roberto Shinyashiki
Psiquiatra, escritor e conferencista
26/05/2017
A dinâmica da vitória
Não viva de currículo, nem de passado. Viva de resultado
foto: Divulgação

O que define um time vencedor? Os profissionais mais caros? Os diplomas? Retrospecto? Ou a mente de campeão? Estamos vivendo em um mundo de competição, de enfrentamento, no qual é muito importante analisar como funciona a dinâmica da vitória. E aqui vou usar uma máxima do futebol para fazer uma analogia.

"Nem sempre o melhor time ganha". Quem gosta de futebol está acostumado com a frase; para aqueles que não gostam, vou explicar. Essa é uma realidade no esporte. Mas, fora desse universo, considero a afirmação totalmente errada. O que querem dizer com isso?

Significa que nem sempre o time com os jogadores mais caros, com melhor retrospecto e o que investe mais dinheiro, ganha.

Na concorrência do dia a dia é diferente. Um médico, mesmo com a sua excelente formação, pode não ter seu consultório lotado. O médico que possui uma história de vitórias, como o time de futebol, não necessariamente é o melhor, porque ele não pode se basear apenas em seu passado. Por outro lado, nem sempre o que tem mais títulos é quem lota o consultório, tampouco o que mais investiu para ter o consultório mais moderno. Ser um campeão não é superar o outro, mas conseguir realizar os seus talentos no nível mais alto da sua existência.

Qual é a dinâmica da vitória?
A dinâmica é sempre sobre o que passou: quem teve maior investimento, quem possui o melhor currículo. Contudo, quando falamos da partida, da semifinal ou da final do campeonato, quem, na hora do jogo, agiu com mente de campeão e segurou a pressão? Quem, no momento decisivo, foi lá e mostrou o melhor futebol? Quem aproveitou melhor as oportunidades da partida? É isso que vai definir o resultado final.

O melhor time ganha não por ter os jogadores mais famosos, ou por ter o melhor histórico, mas sim porque faz. O melhor médico não é o que tem inúmeros diplomas e certificados, nem o que era o melhor no passado, mas sim aquele que vai lá e faz acontecer.

Portanto, é muito importante entender que o passado não define o presente, e o presente tampouco define o futuro. O que define o presente é o que você faz para defini-lo, ou seja, a sua mente. Muita gente diz que ama o que faz; mas essa é uma afirmação perigosa, porque amar somente não basta. É preciso amar e entregar os resultados. É preciso estar preparado para sair da zona de conforto e ir além do que o seu cliente necessita.

Aposto que agora você vai mudar um pouco de ponto vista sobre o que é uma vitória.

Outras Matérias
Outros Articulistas
Agosto 2018
Parabéns Alphaville 45 anos!