Articulista
Cristiana Arcangeli
Marketing & Inovação
Cristiana Arcangeli
Empresária, consultora de beleza e escritora
28/06/2018
Desafios da mulher empreendedora
foto: Divulgação

Costumo dizer que a mulher é como uma equilibrista de pratos. Cada prato representa um papel da mulher. A empreendedora, a mãe, a companheira, a amante, a amiga. Assim como o equilibrista de pratos, que precisa cuidar de forma individual da energia que mantém cada prato girando, a mulher precisa estar com a atenção focada em cada um desses papéis, para garantir o desempenho eficiente deles. Mas como ser essa mulher equilibrista de pratos?

É da natureza da mulher cuidar da família, cuidar dos filhos, cuidar da beleza. São funções que não dá para terceirizar, nem para marido, para companheiro, para quem quer que seja. Ela deve assumir que essas atividades lhe pertencem. Tem de fazer. E fazer por inteiro e por prioridade.

O ideal é que a mulher se liberte de expectativas irreais e reconheça os próprios limites. É comum ver mulheres empreendedoras se sentirem culpadas porque não conseguem estar presentes nos outros papéis assumidos ao longo da vida. Culpa não ajuda em nada. Na verdade, só traz mais frustrações. Pense que a vida é feita de fases e que, em alguns momentos, vai ser preciso dar prioridade a algum assunto, e não vai ter como se dedicar da mesma maneira e com a mesma intensidade aos outros. Tomar consciência disso é muito importante.

Para não carregar esse sentimento de culpa, o pulo da gata é organização. É preciso se organizar, para ter disponibilidade de tempo a fim de realizar todas as tarefas, sem deixar lacunas. Se não for assim, melhor nem começar a empreender. Minha recomendação é que se planeje para curto prazo. Se você planejar para longo prazo, a tendência é que, quando alguma coisa não sair conforme o planejado, certamente gerará algum tipo de frustração.

A partir dessa consciência da organização e do planejamento para curto prazo, a mulher empreendedora terá condições de construir um negócio de forma saudável e produtiva. Isso não quer dizer que seja fácil, pelo contrário, é preciso muita dedicação e força de vontade para alcançar o sucesso.

Já estive, e estou, à frente de muitas marcas, mas uma em particular me remete bem ao assunto deste artigo. Nos anos 1990, quando criei a PH Arcangeli (distribuidora de cosméticos), tornei-me a primeira mulher, em 180 países, a trabalhar com a distribuição de uma famosa marca de cosméticos francesa. Não foi nada fácil! Muitos duvidaram da minha capacidade profissional, pelo simples fato de eu ser mulher. Porém, isso tudo só me fez batalhar mais e quebrar os preconceitos, para mostrar que ser um bom profissional não depende de gênero.

A mulher tem milhares de qualidades e os homens, outras. Eu diria que não sou nem feminista, nem machista. Os homens e as mulheres têm diferenças biológicas, e cada diferença tem sua importância.

O mercado de trabalho, o ambiente de trabalho, precisa ter gênero inteligente, ou seja, deve usar as diferenças biológicas para o bem comum e, de forma complementar, juntar forças e levar a empresa a atingir seus objetivos.

O homem conta com um olhar prático que, normalmente, a mulher não tem. A mulher tem intuição mais aguçada que o homem, geralmente, não possui. Esse olhar feminino, essa intuição, esse modo de tratar os detalhes, tudo isso são qualidades, e, quando bem utilizadas, são ferramentas importantes para o crescimento e sucesso da companhia.

Porém, a manutenção de um negócio vai além dessas características. É fundamental que a mulher empreendedora tenha noções de gestão e procure sempre por inovação e conhecimento. São esses fatores que vão levá-la para o segundo nível de forma saudável e com grandes perspectivas de crescimento.

Se desejar saber mais do meu conteúdo, acesse meu site crisarcangeli.com, o meu canal Cris Arcangeli no Youtube, no IG e no FB crisarcangeli.

Outras Matérias
Outros Articulistas
Dezembro 2018
Transforme 2019 no melhor ano de sua história