Articulista
Augusto Cury
Inteligência Emocional
Augusto Cury
Psquiatra, psicoterapeuta, cientista e escritor
26/01/2018
Formando sucessores
Sucessores constroem seu próprio legado

É mais fácil governar um país do que educar uma criança. É mais fácil dirigir uma empresa com milhares de funcionários do que formar um pensador. O dinheiro pode comprar uma fábrica de camas, mas não pode produzir uma noite de sono. Uma escola pode transmitir milhões de dados sobre matemática, física, química e outras competências técnicas, mas não pode ser capaz de trabalhar minimamente funções complexas da inteligência, como pensar antes de reagir; lidar com contrariedades; expor, e não impor ideias; altruísmo; serenidade; empatia; carisma. Somos dificeis de compreender e educar.

Uma das áreas mais importantes do processo educacional é a formação de sucessores. Todos começam a vida como herdeiros, por mais pobres, desprivilegiados e abandonados que sejam. Todos herdam pelo menos uma carga genética, o que lhes dá o direito à vida, que, por si só, é fabulosa.

A grande maioria das pessoas também herda conhecimentos incríveis, como os direitos civis, a cultura de seu povo, os valores de seus pais. Muitas ainda herdam o direito de estudar, de ler livros, de conhecer, de aprender e captar a expertise de seus mestres. Essas são heranças notáveis. E uma minoria recebe as heranças “famosas”, mas que não são as mais importantes, como bens materiais, empresas, ações, dinheiro, e acabam gastando sem preservar.

Diferentemente dos sucessores, os herdeiros sabotam sua felicidade, creem que seus bens são eternos. Herdeiros são gastadores inconsequentes; já sucessores preservam ou multiplicam o que herdam. Herdeiros são imediatistas, querem tudo rápido e pronto; sucessores pensam em médio e longo prazo, adiam pequenas doses de prazer no presente para mergulharem no manancial amanhã. Herdeiros são especialistas em reclamar de seus pais ou responsáveis e de seus mestres; sucessores se curvam em agradecimento àqueles que se doam por eles. Herdeiros pensam que toda escolha envolve ganho; sucessores sabem que toda escolha implica perda: têm consciência de que é preciso perder o trivial para alcançar o essencial. Herdeiros vivem à sombra dos outros; sucessores constroem seu próprio legado. Herdeiros têm desejo de mudança, mas, no calor da segunda-feira, seus desejos se evaporam; já sucessores sabem que só existe sucesso quando se sonha e se tem disciplina. Sucessores não são pessoas geniais, portadoras de dons cerebrais extraordinários, são seres humanos com defeitos e limitações que choram, recuam e falham.

A diferença é que eles aprenderam como reconhecer erros, transformar lágrimas em maturidade e vexames em crescimento. Aproveitam oportunidades, se reinventam, treinam suas habilidades e sempre se dão uma nova chance e aos outros. Tornar-se um sucessor pode ser aprendido educando a emoção, lapidando o intelecto e treinando as notáveis habilidades que fazem de nós mentes livres e produtivas. Todos falhamos, em algum momento, na educação de nossos filhos, mas, podemos corrigir a rota.

Outras Matérias
Outros Articulistas
Julho 2018
Silvio Santos vem aí!