Articulista
Amaury Jr
Flash
Amaury Jr

Jornalista e apresentador de televisão.

28/05/2018
Fábio Porchat quer ser pai
foto: Youtube

Com apenas 34 anos, ele é ator, comediante, diretor, dublador, entrevistador, produtor, roteirista e apresentador. Fabio realiza O Prêmio do Humor destinado aos melhores artistas e espetáculos teatrais desse gênero nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. Recebi Porchat no meu programa e conversamos sobre sua vida pessoal, planos de ter filhos e carreira.

Você se considera no ápice da sua carreira?
Atualmente, comando o meu próprio talk show na TV Record - o Programa do Porchat, o Papo de Segunda - de debates sobre assuntos da atualidade na GNT e ainda posso fazer todo tipo de humor no Porta dos Fundos. Espero seguir por muito tempo esse caminho.

Então você está rico?
Estou, sim. Trabalho que nem um condenado (risos). Aqui no Brasil a gente tem vergonha de falar isso, né? Mas eu acho importante. Sem querer pagar pau para os americanos, mas lá eles ficam felizes por o outro estar rico. Aqui não. Não pode falar.

O Porta dos Fundos foi vendido?
Vendemos 51% para a americana Viacom, dos canais MTV e Nickelodeon, que é um grande conglomerado de mídias. Continuamos com a liberdade de criação e decidimos o que queremos fazer. Reinvestimos na empresa e vamos lançar o Porta lá fora, no México e nos Estados Unidos. Temos 850 esquetes que podemos vender para outros países.

Você é hiperativo?
Sim, com certeza. Não consigo parar. Estar com minha mulher (Nataly Mega) hoje é meu melhor momento, quando eu relaxo mais. Gosto de assistir a filmes e séries, mas sempre é um trabalho, fico analisando o roteiro, como foi produzido. Enfim, acho que, para eu relaxar, tem de anotar na minha agenda “não fazer nada”.

Vocês estão planejando ter filhos?
Acabei de casar, né, vamos aproveitar, mas está nos planos, sim. Eu me dou muito bem com criança; acho que o filho trabalha o seu egoísmo e eu preciso disso, pois sou muito egoísta. O filho abre você para o imponderável e não dá para planejar muito.

Verdade que, quando você era criança, sofreu bullying?
Muito! Era tanto que um dia pensei em arremessar um extintor de incêndio nos garotos que me perturbavam. Só não consegui porque era muito pesado. Já pensou, que horror?

Como foi entrevistar o Jô Soares?
Foi no programa dele que sua carreira como ator e comediante começou? Em 2002, fui com minha turma da faculdade do curso de
administração da ESPM ao Programa do Jô e, num dos intervalos da gravação, enviei um bilhete ao Jô Soares, explicando que gostaria de encenar uma esquete de minha autoria. Jô me chamou ao palco, e encenei um diálogo entre Rui e Vani, personagens da série Os Normais - alternando rapidamente entre as falas dos personagens. Ao final, fui muito elogiado pelo apresentador. Foi durante essa apresentação que mudei tudo na minha vida. Larguei a faculdade de administração, fui morar no Rio de Janeiro com meus tios e estudar interpretação. Formei-me em teatro e o Maurício Sherman, na época, diretor do Zorra Total da Globo, me levou para escrever para o programa e aí minha carreira começou a decolar.

E aí você recebe o Jô Soares no seu programa. Como foi isso?
Sim, eu o convidei para fazer a estreia do meu programa. Liguei, e ele aceitou na hora. Fiquei muito emocionado em recebê-lo. Dezesseis anos depois de eu ter me apresentado no programa dele, momento que mudou toda a minha vida, ele está sendo entrevistado por mim. Foi o máximo, um marco na minha carreira.

Outras Matérias
Outros Articulistas
Julho 2018
Silvio Santos vem aí!